BD Resenha | Samurai X (Focus Filmes)

Rurouni Kenshin, mais conhecido no Brasil como Samurai X,  é a versão live action do mangá criado por Nobuhiro Watsuki. O filme conta a história de Himura Kenshin, um ex-assassino que vaga pelo Japão buscando expiar seu passado violento. Ao ajudar Kaoru, herdeira de um dojo, Kenshin acaba no caminho de Kanryu, um poderoso traficante de ópio, e de um assassino de policiais chamado Battosai. Originalmente lançado em 2012, o filme foi disponibilizado no Brasil em fevereiro deste ano pela Focus Filmes. Iremos então avaliar a edição em Blu-ray para saber se vale a compra ou não.

Informações técnicas

  • Formato: BD-25
  • Região: ABC
  • Espaço ocupado (total): 24.489.910.309 bytes (22,81 GB)
  • Espaço ocupado (filme): 24.315.740.160 bytes (22,65 GB)
  • Bitrate total: 24,13 Mbps

Vídeo:

  • Aspect ratio: 2.40:1
  • Codec: MPEG-2
  • Duração: 2:14:21.261 (h:min:s.ms)
  • Capítulos: 12
  • Espaço ocupado (somente vídeo): 16.079.163.398 bytes (14,97 GB)
  • Bitrate de vídeo: 15,993 Mbps
  • Gráfico de bitrate:

Áudio:

Idioma

Codec

Bitrate

Canais / Amostragem

Tamanho

Japonês DTS-HD Master Audio 2.053 kbps 7.1 / 48 kHz / 16-bit 2.068.570.764 bytes (1,93 GB)
Português (dub. anime) DTS-HD Master Audio 2.281 kbps 7.1 / 48 kHz / 16-bit 2.298.605.296 bytes (2,14 GB)
Português (nova dub.) DTS-HD Master Audio 2.270 kbps 7.1 / 48 kHz / 16-bit 2.287.072.948 bytes (2,13 GB)

Legendas:

  • Português

Apresentação

Samurai X está disponível em um estojo plástico Viva Elite, que é bem melhor que os HD Case da Amaray e da AMZ. Porém, empalidece se comparado ao SteelBook inglês ou ao Digipak japonês. Não há luva.

Imagem de divulgação. Não muito diferente do produto real.

A capa é reversível, tendo em um lado o título internacional (Samurai X) e do outro o título japonês (Rurouni Kenshin):

A edição nacional possui um disco apenas, replicado pela Sony DADC. A impressão é lisa e com boa definição:

Rotulagem

Quando a Focus vai aprender que NTSC e Blu-ray não combinam? Todos os títulos da empresa (inclusive este) vêm com os dizeres NTSC na lombada e no disco, o que é uma prática que não se aplica para conteúdo em HD.

Além disso, é erroneamente informado que a trilha de áudio em japonês está em Dolby Digital 5.1, quando na verdade está em DTS-HD MA 7.1 (falha que se repete no menu do disco). Por conta disto, os logos Dolby Digital presentes na contracapa e no disco seriam dispensáveis.

Para terminar, a duração informada (95 minutos) não bate com a duração real do filme. Tá precisando de mais atenção, dona Focus!

Vídeo

Temos uma transferência 1080p no aspecto de 2.40:1 e codificada em MPEG-2, codec ultrapassado que não deveria ser mais utilizado em autorações modernas. A duração de 134 minutos indica ser a versão de cinema, sem cortes. O aspecto original felizmente também foi preservado.

A qualidade de imagem em si é muito boa. A fotografia do filme puxa para um tom mais sépia, adequado a uma obra de época como esta, e o BD representa bem esta escolha de paleta. Nas cenas externas, as cores são orgânicas, vibrantes e com bom destaque; nas cenas internas, os tons são mais sóbrios e intencionalmente mais suaves; nas cenas noturnas, os tons puxam mais para o azul, com um contraste aceitável e bom nível de preto. O nível de detalhe fino é bom e os tons de pele estão naturais.

O único porém é a ocorrência de um frame skip durante os créditos, com distorção na imagem (vejam na última captura do álbum) e falha no som. Ainda que este erro não prejudique a apreciação da obra, supostamente nenhuma falha deveria ocorrer. Vacilo do setor de Controle de Qualidade da Focus.

No geral, é uma boa transferência, mas poderia ser melhor se fosse utilizado um codec mais moderno e uma mídia de camada dupla, como nas edições japonesa e britânica.

Vejam a seguir uma série de capturas do material (em formato com perdas, não correspondendo, portanto, ao resultado final):

Em tempo: já passou do tempo da Focus utilizar uma vinheta em HD em seus Blu-rays. Uma vinheta em SD sem foco (ops) e em 4×3 (!) passa uma péssima impressão ao consumidor.

Áudio

Temos aqui três trilhas de áudio, todas em DTS-HD Master Audio 7.1: original em japonês, uma dublagem em português com as mesmas vozes utilizadas na dublagem do anime e outra dublagem em português utilizando outras vozes (salvo Afonso Amajones, que continuou como a voz de Sanosuke Sagara).

A trilha original é boa, com bom punch e ambiência; porém, o áudio é mais baixo do que o esperado para um filme de ação (ou seja, se prepare para aumentar o volume do seu home theater). Conforme já avisamos, há uma falha no áudio durante a música dos créditos finais, acompanhada de quadriculado na imagem. Esta falha se repete na dublagem.

Falando nas dublagens em português, ambas foram realizadas pela Lexx e possuem um volume mais adequado se compararmos com a trilha original. A dublagem com o novo elenco não apresenta problemas e é melhor que a média em termos artísticos.

Entretanto, a dublagem com as vozes do anime possui um problema gravíssimo onde elementos da próxima cena (como música e efeitos sonoros) aparecem misturados na cena anterior. Este defeito acaba por impossibilitar o uso desta faixa, pois o som fica totalmente embolado e impossível de discernir com clareza; um verdadeiro samba do samurai doido. Mais uma falha do Controle de Qualidade da Focus.

Legendas

Temos legendas apenas em português. A fonte usada é de bom tamanho e permite uma boa leitura. Não há problemas de sincronismo nem falta de legendagem em alguns trechos. A legenda não aparenta ser um dubtitle, ou seja, uma transcrição da dublagem em vez da tradução do áudio original.

Para que vocês visualizem a fonte e o tamanho, segue uma captura:

Extras

Nada. Absolutamente nada. No Reino Unido pelo menos colocaram um trailerzinho. Aqui, nem isso.

Avaliação geral

A Focus Filmes tinha em mãos a oportunidade perfeita de lançar um bom produto a um preço decente, mas botaram tudo a perder. A embalagem comum era o esperado, pois seria surpreendente uma embalagem colecionável em Blu-ray vindo de uma independente. O estojo Elite e a capa reversível foram boas surpresas, mas os erros de rotulagem (principalmente a descrição errada do formato da trilha em japonês e duração do filme) confundem o consumidor e dão a impressão de desleixo. A qualidade da imagem é boa, mas poderia ser melhor caso a transferência fosse feita com mais capricho e se usassem mídia BD-50. O áudio original agrada e a presença de duas dublagens em português seria excelente, caso uma delas não estivesse completamente inutilizada e imprópria para uso. Será que ninguém da empresa revisou o produto antes de enviá-lo à replicadora?

Em tese, este seria um Blu-ray altamente recomendado. O filme é muito bom e o preço sugerido de R$ 29,90 seria justo caso o BD não possuísse nenhuma falha. Porém, os inúmeros problemas causados unicamente por falta de atenção nos fazem recomendar o título com ressalvas. Para quem possuir fluência em inglês, a edição britânica é mais indicada, pois vem em embalagem SteelBook, com mídia BD-50 desbloqueada para todas as regiões, codificado em MPEG-4 AVC e a um preço interessante. Àqueles que dependem de legendas em português, só resta a edição nacional. Para estes, recomendamos aguardar que o preço caia mais um pouco antes de efetuar a compra.

Link para a edição na Saraiva:

Categorias: Blu-rayResenhas

Tags: ,

Sobre o autor

Alexandre Prestes era rato de locadora nos anos 80 e nunca se animou a comprar VHS por ser uma mídia de baixa durabilidade. Fã incondicional da boa música, iniciou em 2003 sua coleção com DVDs musicais; só a partir de 2005 passou a comprar filmes e séries. 2009 foi o ano no qual começou a colecionar filmes em Blu-ray, sendo um entusiasta do formato. A coleção continua crescendo (e o espaço diminuindo), cada vez mais a favor de títulos com maior qualidade técnica e fartura de material adicional.