CARAY! Edição Comemorativa de Blade Runner não é pra se comemorar!

Havia muita expectativa com relação ao lançamento da Edição Comemorativa de 30º Aniversário de Blade Runner – O Caçador de Androides em Blu-ray, prevista para o dia 29 deste mês. Afinal, nos EUA esta edição saiu em um belo Digibook trazendo legendas em português nos discos 1 e 3.

Imagem de divulgação da edição nacional

No entanto, o lado Várner da Warner foi mais forte: aquele que poderia ter sido um título para orgulhar o colecionador brasileiro se mostrou mais uma decepção. Veremos os porquês a seguir.

Acabamento fuleiro

Quando se pensa em uma Edição Comemorativa, o que você imagina em termos de embalagem? Digibook, Steelbook, Digipak, no mínimo uma luva de qualidade ou uma lata bem acabada. Porém, não é o que a Várner pensa. Vejam este vídeo feito pelo leitor @mirojunior:


Canal miroecris 

Olhem só: luva fina e furreca, envolvendo um estojo Amaray molengo cata-pó de DVD (!). Puxa vida, Várner! Nem pra usar um Digistak de DVD (como o utilizado em True Blood)? Poderiam também utilizar um papel melhor no livreto (que parece uma brochura de propaganda) e no lenticular. No geral, um acabamento vergonhoso para uma edição dita especial.

Cadê as legendas do disco 2?

Sendo um produto nacional, é de se esperar que o material incluído no disco seja adequado ao nosso mercado; isto é, com legendas e, se possível, áudio em português brasileiro. Mais uma vez, não é o que a Várner acha. Pra começar, nada de dublagem em português na versão Final Cut do filme (o DVD tinha). Mas não acaba aí.

Lembra que o BD americano vem com legendas PT-BR apenas no disco 1 e 3? Para o disco 2, que traz a versão de cinema (internacional e americana) e a Director’s Cut de 1991, era de se esperar uma nova autoração para incluir as legendas, correto? Negativo: para a Várner, é muito mais fácil usar a autoração americana e apenas replicar os discos no Brasil. Isso mesmo: o disco 2 da edição nacional também não possui dublagem nem legendas em português!

Não acreditam (sei, é difícil)? Vejam o verso da embalagem:

Só para confirmar, uma captura do menu mostrando o descaso da Várner:

Fotos: @mirojunior 

Sem comentários! O mínimo que se espera de um Blu-ray nacional é que esteja adequado ao consumo; ou seja, é preciso que venha com todo o conteúdo disponível legendado em nosso idioma. Caso contrário, qual a vantagem de adquirir o produto brasileiro?

Precinho camarada #not

Já que o acabamento não é lá grandes coisas e faltam legendas no material, pelo menos o preço está adequado à qualidade do produto, não é? Negativo! O preço sugerido para o lançamento é de absurdos R$ 129,90. Muito alto quando lembramos que não passa de uma gambiarra em estojo de DVD.

A título de comparação: a edição americana em Digibook, com conteúdo idêntico à edição brasileira, custa, na Amazon, praticamente o mesmo preço da gambiarra varneriana. E já inclui o frete e o imposto maldito de 100%!

Realmente a Várner pisou na bola legal. A vencedora do prêmio de pior produtora de 2012 tinha nas mãos a oportunidade perfeita para mostrar que havia se redimido e que voltaria a ser a Warner em 2013. Entretanto, vendo a sequência de erros absurdos cometidos nesta edição especial de Blade Runner, podemos perceber que o prêmio de pior de 2013 já tem uma forte concorrente.

Nós do BJC adoraríamos recomendar esta edição aos nossos leitores. Porém, com este acabamento, sem legendas no disco 2 e a este preço, é melhor comprar a edição americana mesmo.

[Sugestão do leitor @aarom_padilha no Twitter e com infos do Fórum BJC]

 

ATUALIZADO (7/4)

Os membros do Fórum BJC mirojunior e jamesedwart entraram em contato com a Warner questionando o problema com as legendas da edição e ambos receberam a mesma justificativa: a ausência de legendas e dublagem no disco 2 seria causada pela falta de “direitos autorais internacionais que impediriam a reautoração da obra”. Além disso, a Warner informou que “a Warner Brasil tem autorização de inclusão de idiomas no DVD, mas no Blu-ray são outros direitos autorais”. Por fim, eles consideram o material do disco 2 como “conteúdo complementar” e que “não haverá recall da edição”.

Pois bem, este é o famoso bullshit. Realmente é verdade que existe copyright para a dublagem, para as legendas e para o trabalho de autoração do disco. Porém, nada impediria a Warner Brasil de reautorar o disco e fazer um novo trabalho de legendagem para o material. Esta nova legenda utilizaria uma forma diferente para traduzir o original em inglês, sem alterar o significado final (algo similar ao que a Panini faz ao relançar material previamente publicado por outras editoras) e sem violar os direitos intelectuais de ninguém. E mais: material complementar ou não, é obrigação da produtora adequar o conteúdo do produto que ela vende no Brasil ao idioma falado por seus consumidores.

A Várner está apenas arrumando uma desculpa esfarrapada para mascarar a própria incompetência. Afinal, tiveram quase seis meses para adequar a edição ao nosso mercado e apenas estragaram a apresentação do produto. Sim, a empresa não se pronunciou a respeito da gambiarra em estojo plástico de DVD, sendo que estojos triplos de Blu-ray são utilizados por todas as majors do Brasil há tempos.

No mais, se a Warner Brasil não se esforça para colocar um bom produto no mercado, por que nós consumidores nos esforçaremos para comprá-lo? Perdoem o trocadilho, mas como a Várner não se importa, o colecionador importa!

Link para Blade Runner em Blu-ray na Amazon.com:

Categorias: Blu-rayProtestos

Tags: , , ,

Sobre o autor

Alexandre Prestes era rato de locadora nos anos 80 e nunca se animou a comprar VHS por ser uma mídia de baixa durabilidade. Fã incondicional da boa música, iniciou em 2003 sua coleção com DVDs musicais; só a partir de 2005 passou a comprar filmes e séries. 2009 foi o ano no qual começou a colecionar filmes em Blu-ray, sendo um entusiasta do formato. A coleção continua crescendo (e o espaço diminuindo), cada vez mais a favor de títulos com maior qualidade técnica e fartura de material adicional.