Dos cofres da Cyberdyne: uma réplica do braço do Exterminador do Futuro!

As máquinas estão entre nós. E o fim do mundo se aproxima. É verdade, estamos perdidos, pois foram encontrados artefatos tecnológicos nunca antes vistos por olhos humanos. Algo que torna nossos sistemas computacionais completamente obsoletos. Venha comigo se você quer viver…

A Hollywood Collectibles vai disponibilizar ao mundo um dos artefatos encontrados. Um braço mecânico com tecnologia avançada, que estava guardado em instalações de alta segurança.

Trata-se de Endoarm Replica – Terminator 2, uma réplica exata do braço do T-800 de O Exterminador do Futuro. Isso mesmo, aquele pedaço que foi recuperado por John Connor no segundo filme, cuja existência foi responsável pelos avanços tecnológicos que criariam a Skynet. E todos os eventos que se sucederam a partir de então…

O braço tem escala real (1:1) e mede 61 cm de altura. Foi reproduzido a partir de moldes originais usados no filme, com materiais como resina polystone, fibra de vidro e metal. Possui uma camada cromada tripla, para dar a sensação de estarmos tocando em metal. E ainda acompanha uma base com LEDs e uma capa de acrílico.

Claro que uma belezura dessas não seria barata: o preço sugerido é de US$ 750 e tem uma tiragem limitada de 500 peças. A réplica já está em pré-venda no website da Hollywood Collectibles (que entrega para o Brasil), com data de lançamento prevista para o início de 2013.

Realmente, são impressionantes a perfeição e o detalhamento destas réplicas de hoje em dia. “Ah, mas é muito caro e mimimi e bibibi e bobobó”. Arnold tem um recado para você: “fale com a mão” (ou com o braço)…

[Via: Blog de Brinquedo / Chip Chick]

Exterminador do Futuro em Blu-ray na Saraiva:

http://jotace.me/terminator_br

Categorias: NotíciasRéplicas

Tags: , , ,

Sobre o autor

Cidraman é o alter-ego de Leandro Pinheiro, colecionador de DVDs desde 2002, fã incondicional de Star Wars desde sempre. Um saudosista maldito com orgulho. Sua missão é destruir mundos, lutar pelos fracos e oprimidos e acabar com as injustiças que assolam o universo colecionístico.