BD Resenha: A Vida é Bela [Brasil]

Vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 1999, A Vida é Bela (La Vita è Bella) é um belo filme dirigido, roteirizado e estrelado por Roberto Benigni. A história do pai que transforma o drama do holocausto em uma brincadeira, a fim de não destruir a inocência do filho pequeno, foi um sucesso de público e de crítica. O filme recebeu inúmeros prêmios, entre eles 7 indicações ao Oscar, sendo vitorioso em 3 categorias (além do já citado Melhor Filme Estrangeiro, Benigni recebeu (merecidamente) a estatueta de Melhor Ator e o compositor Nicola Piovani venceu na categoria Melhor Trilha Sonora – Drama).  A Vida é Bela faz rir em seu primeiro ato e emociona a partir do segundo, sendo uma obra altamente recomendada a qualquer cinéfilo que se preze.

No Brasil, A Vida é Bela foi lançado inicialmente em VHS pela Paris Filmes, apenas em cópias dubladas. Depois, a Imagem Filmes trouxe o filme em DVD em uma edição com o áudio original em italiano, mas cuja imagem ainda permanecia cortada no formato 4×3. Finalmente, em abril deste ano, a mesma Imagem Filmes colocou no mercado uma edição em Blu-ray. Enfim conseguimos acesso ao filme em seu aspecto original widescreen; só resta saber se esta edição está no mesmo nível de suas contrapartes estrangeiras. É o que veremos a seguir.

Informações técnicas

Disco:

  • Formato: BD-25
  • Região: ABC
  • Espaço ocupado (total):  24.435.254.973 bytes (22,76 GB)
  • Bitrate total do disco: 26,30 Mbps

Vídeo:

  • Aspect ratio: 1.85:1
  • Codec: MPEG-4 AVC
  • Duração: 1:56:11.005 (h:m:s.ms)
  • Capítulos: 12
  • Espaço ocupado (filme): 22.915.971.072 bytes (21,34 GB)
  • Bitrate de vídeo:  19,87 Mbps
  • Gráfico de bitrate:

Áudio:

Idioma

Codec

Bitrate

Canais / Amostragem
Italiano DTS-HD Master Audio 4048 kbps 5.1 / 48 kHz / 24 bits
Inglês Dolby Digital 640 kbps 5.1 / 48 kHz
Português Dolby Digital 192 kbps 2.0 / 48 kHz

Legendas:

  • Português (bitrate: 33,239 kbps)
  • Inglês (bitrate: 33,575 kbps)

Apresentação

Neste aspecto, temos o padrão que normalmente se encontra aqui: estojo HD Case comum, sem luva nem arte interna. Se serve de consolo, lá fora a situação é a mesma (exceto na Alemanha, onde aparentemente o filme ganhou uma luvinha).

Vejam abaixo a arte completa da edição; atentem para o detalhe do “NTSC” na contracapa, que não se aplica em Blu-rays:

O disco é replicado pela Sonopress. A impressão é lisa, mas a definição da imagem deixa um pouco a desejar. Aqui também lemos “NTSC”, que não deveria ser utilizado em discos Blu-ray.

Autoração

A autoração do disco, feita pela ETC Filmes, é bem feita, embora não traga nada de especial. Os avisos e a vinheta da Imagem estão adequadamente em 1080p e não existe nenhum conteúdo impossível de se pular antes de chegarmos ao menu principal. O menu raiz, embora seja meio sem graça, funciona a contento; o mesmo vale para o menu popup. Não foram notadas falhas nem na imagem nem no áudio.

Vídeo

Temos uma transferência 1080p no aspecto correto de 1:85 e codificada em AVC. A duração é de 116 minutos, que indica o corte original, sem mutilações. O disco é BD-25 e está destravado para todas as regiões. Ao contrário das edições internacionais, a edição brasileira não utiliza disco de dupla camada. Isto acaba exigindo uma compressão maior na imagem para que o conteúdo caiba no disco, aumentando a possibilidade de surgimento de artefatos. Mais uma vez, a Imagem Filmes insiste nesta economia besta que só serve para aumentar a margem de lucro, pois não é repassada ao consumidor final.

Mesmo diante desta deficiência, o resultado final é satisfatório, comparável às edições estrangeiras. A Vida é Bela não é referência em alta definição: a transferência em geral é bastante soft, com um eventual noise em algumas cenas (principalmente as que se passam na neblina). As cores são levemente mudas (exceto em alguns vermelhos mais fortes) e os cinzas e beges predominam a paleta do filme. No início ocorre um pouco de wobble (a imagem treme ligeiramente, por um ajuste falho durante o processo de telecinagem), mas logo este efeito desaparece. Apesar de tais deficiências, temos um nível de detalhe adequado ao que se espera de um filme deste tipo, sendo suficientemente agradável aos olhos.

A título de ilustração, seguem algumas capturas (lembrando que são em JPEG com perdas e não representam a qualidade real da imagem; para ampliar, basta clicar na lupa no canto superior direito):

Áudio

Temos três faixas de áudio no disco: Italiano DTS-HD Master Audio 5.1 (com core DTS de 1509 kbps), Inglês Dolby Digital 5.1 e Português 2.0.

A trilha original em italiano, utilizando um codec sem perdas e com 24 bits de amostra, oferece uma excelente experiência sonora. Por conta da caraterística da obra, o áudio é bem discreto e nivelado, com vários momentos de quietude e com o surround sendo usado apenas para ambiência. Os diálogos soam claros e facilmente inteligíveis e a premiada trilha sonora se destaca perfeitamente.

A trilha em português é a mesma do VHS (inclusive há, no início, a chamada “numa distribuição Grupo Paris Filmes”); vindo deste formato, não é de se espantar de ser apenas em estéreo. A dublagem, feita pelo Studio Gabia, faz uma tradução mais livre do texto original e, se não é brilhante, cumpre seu papel.

A trilha em inglês, que vale mais como curiosidade, é tecnicamente superior à dublagem brasileira, mas artisticamente o nível é o mesmo. O principal detalhe é o sotaque italiano utilizado, que se encaixa muito bem à narrativa.

Legendas

O disco tem legendas apenas em inglês e português. Ambas estão num bom tamanho e traduzem bem o que se diz no original em italiano. Não foram notados erros de grafia nem de temporização na legenda em português.

Vejam a seguir capturas da mesma cena com as legendas em português e em inglês:

Há legendas em português nos extras; existem alguns erros de grafia (p. ex.: 1993 em vez de 1983) e problemas de sobreposição que deveriam ser melhor observados antes da masterização final.

Extras

De extra, temos o mesmo conteúdo das edições estrangeiras (que era o mesmo do DVD americano). O material disponível é o seguinte (todo em SD) :

  • Making Of: Making Life Beautiful, com duração de 23 minutos, é uma peça claramente feita para promover o filme, não sendo um making of propriamente dito. Até traz alguns depoimentos interessantes, embora o tom adulatório típico deste tipo de material incomode um pouco;
  • Trailer de Cinema: auto-explicativo;
  • Comerciais de TV: 10 spots de TV. Embora sejam curtos (total de 5 minutos), a repetitividade cansa um bocado.

Não é o que se espera de uma obra deste nível, mas é uma grande evolução, principalmente se comparado aos extras de texto da edição em DVD.

Avaliação geral

O filme em si é altamente recomendado, merecendo figurar em qualquer coleção. Já a edição é razoável: se não apresenta nenhum diferencial, ao menos não compromete nos aspectos técnicos. Vindo com boa qualidade de imagem e som, o Blu-ray de A Vida é Bela é, sem dúvida nenhuma, um excelente upgrade se comparado ao DVD. Ficou devendo extras mais relevantes, mas neste aspecto os outros países estão na mesma situação que nós.

No todo, a Imagem Filmes fez um bom trabalho; como crítica, acho que um filme premiado como este merecia uma edição com luva e/ou arte interna e deveria ser utilizada mídia de dupla camada. Mesmo assim, este Blu-ray merece ser recomendado.

Blu-ray de A Vida é Bela:

SARAIVASUBMARINO

Categorias: Blu-rayResenhas

Tags: , ,

Sobre o autor

Alexandre Prestes era rato de locadora nos anos 80 e nunca se animou a comprar VHS por ser uma mídia de baixa durabilidade. Fã incondicional da boa música, iniciou em 2003 sua coleção com DVDs musicais; só a partir de 2005 passou a comprar filmes e séries. 2009 foi o ano no qual começou a colecionar filmes em Blu-ray, sendo um entusiasta do formato. A coleção continua crescendo (e o espaço diminuindo), cada vez mais a favor de títulos com maior qualidade técnica e fartura de material adicional.